O Grupo Itahyê

A aquisição das quatro glebas que compõem a Fazenda Itahyê se deu entre os anos de 1923 e 1945. Inicialmente, o propósito principal era o de fornecimento de lenha para uma fábrica da Moóca; em seguida, o de produção de leite tipo A.

A Granja Itahyê (como era chamada na época) foi fundada em 1935 e operou até a virada das décadas de 1950 para 1960. Era considerada uma fazenda modelo, não somente por ter sido o primeiro projeto de ordenha mecanizada no Brasil, como também por causa do trabalho assistencial de educação e saúde desenvolvido pelos fundadores junto aos seus funcionários.

Ao longo das décadas de 1980-90, o perímetro da propriedade sofreu algumas modificações – a partir de diversas desapropriações e vendas, dentre as quais se destacam as áreas destinadas: ao residencial Tamboré; à SABESP (gleba Botoni/Fazenda Itahyê); ao túnel do Rodoanel Mário Covas; entre outras. Consolidaram-se no entorno os bairros Cidade de São Pedro e Colinas da Anhanguera.

Impressiona a todos os que passam a ter conhecimento sobre as características da propriedade o tamanho de sua área, os seus atributos ambientais, a beleza da natureza e a qualidade de suas florestas – compondo um patrimônio natural esplêndido muito próximo de São Paulo. Há uma reação generalizada de surpresa, encantamento e admiração sobre como foi possível preservar áreas verdes assim extensas, com uma paisagem tão privilegiada, vizinha à 2ª maior metrópole da América Latina.

E chama atenção, também, a história da propriedade, o pioneirismo das atividades que aconteceram há mais de 50 anos atrás e as edificações ainda existentes.

Com uma imensa área verde, nascentes, belas represas e arquitetura histórica, tem-se buscado conciliar preservação da natureza, com planejamento imobiliário, ocupação ordenada do solo e qualidade de vida, procurando oferecer um estilo de vida saudável e próximo da natureza.

Atualmente, o Grupo Itahyê tem como principal foco de atuação o planejamento de uma nova comunidade planejada, além dos loteamentos e condomínios residenciais já lançados – e as duas novas Unidades de Negócio, sempre com ênfase na qualidade de vida.

Desde novembro de 2013, vários levantamentos e estudos foram realizados por equipes multidisciplinares e urbanistas conceituados para a concepção e consolidação do projeto.

Sob o ponto de vista de desenvolvimento imobiliário, os remanescentes florestais tão bem conservados e inseridos numa topografia com declividade bastante acentuada, são tratados como uma adversidade para os anseios de maximizar o potencial econômico da propriedade. No caso do projeto da nova comunidade planejada, desde o princípio, essas restrições foram vistas como uma oportunidade de diferenciação dos produtos imobiliários e de agregação de valor para o novo bairro.

Os impactos ambientais, sociais, logísticos e estratégicos de negócio estão sendo considerados para proporcionar sustentabilidade socioambiental e qualidade de vida para seus moradores.

Conheça mais sobre sobre nossos projetos:

Itahyê Urbanismo
Orgânicos Itahyê
Espaço de Eventos
Marcenaria Artesanal

Vista aérea do núcleo central da Fazenda Itahyê

Vista aérea da grande represa da Fazenda Itahyê

Participantes do encerramento Charrette DPZ, responsável pelo Master Plan-conceito

Vista aérea dos antigos estábulos, edificações do novo Espaço de Eventos

Visão geral do núcleo central da Fazenda Itahyê (década 40)

Fundadores Alberto e Pérola Byington e Hildebrando - varanda casa sede (década 50)

Alberto Byington Jr. e Elisa Botelho Byington no estábulo das vacas leiteiras (década 50)

Engarramento do leite produzido na Fazenda Itahyê: "saúde engarrafada" (década 50)